fbpx

Fazendo mais com menos: como a RPA ajudará os departamentos financeiros na nova economia

A inteligência artificial na contabilidade
14 de maio de 2020
O FUTURO DOS NEGÓCIOS PÓS COVID-19
3 de julho de 2020

Fazendo mais com menos: como a RPA ajudará os departamentos financeiros na nova economia

Como anda o profissional de finanças em 2020? Com excesso de trabalho e subestimado, é o que muitos dos que estão no olho do furacão opinariam! Com a recessão induzida pelo COVID-19, as equipes de finanças estão na linha de frente da redução de custos, trabalhando com seus empregadores para encontrar maneiras de racionalizar gastos e efetuar economias, sem comprometer a qualidade dos produtos e serviços.

Eles também estão desempenhando um papel fundamental no processo de reestruturação e reconstrução – ajudando a avaliar oportunidades de negócios emergentes e a contribuição que podem dar aos resultados, à medida que as empresas estão se recalibrando para a economia pós-pandemia.

Ao mesmo tempo, os profissionais de finanças estão sob considerável pressão para manter os custos baixos em seu próprio segmento. Isso significa gerenciar os fluxos de trabalho em andamento e atender às crescentes expectativas dos tomadores de decisão com equipes não maiores do que antes, ao contrário, possivelmente menores.

Conquistando mais através da automação

Fazer mais com menos nunca foi uma proposta fácil, mas é exatamente o que os profissionais de finanças estão sendo solicitados a alcançar nas condições desafiadoras de hoje.

A automação de tarefas repetitivas e rotineiras é um meio pelo qual a produtividade pode ser aumentada com rapidez e economia. Pesquisas recentes da Blackline sugerem que os departamentos de finanças atualmente gastam 49% do tempo, em média, nas atividades transacionais antiquadas pelas quais são mais conhecidas – lançamentos contábeis, reconciliações e similares. Ao mesmo tempo, os funcionários do setor financeiro relatam ser solicitados a enfrentar o desafio de se tornarem “parceiros de negócios” da equipe executiva sênior; colaboradores especialistas proativos, em vez de reativos, trituradores de números de bastidores.

A automação robotizada de processos (RPA) – a automação de processos de negócios simples e baseados em regras – pode reduzir o número de horas humanas necessárias para concluir tarefas transacionais, enquanto reduz as taxas de erro para quase zero. A pesquisa da BlackLine indica que 38% do tempo coletivo das equipes financeiras pode ser liberado através do uso da automação. Esse é o tempo extra, ali mesmo, que eles precisam para agregar valor trabalhando no negócio, não nele.

A RPA também é um componente essencial do modelo contábil contínuo; uma abordagem para gerenciar o ciclo contábil, que vê as cargas de trabalho distribuídas igualmente no período contábil, não concentradas no final do mês. O modelo está encontrando cada vez mais preferência das organizações australianas e neozelandesas, que preferem uma visibilidade detalhada e atualizada de sua posição financeira sobre o instantâneo retrospectivo que os relatórios tradicionais representam.

Harmonizando um arranjo mal organizado de sistemas

A tecnologia RPA também pode ser implantada para capturar e interpretar dados armazenados em várias soluções independentes. Quase três quartos dos CFOs pesquisados pela BlackLine declararam que suas organizações atualmente têm seis ou mais soluções em uso ativo, impulsionando o processo de relatórios financeiros. Esse é um status quo que é sinônimo de complexidade – e a complexidade é o arqui-inimigo perene da eficiência.

A implantação da tecnologia RPA para integrar e harmonizar esses sistemas poderia liberar dezenas de horas por ano, que poderiam ser dedicadas a atividades de valor agregado.

Atraindo e retendo os melhores talentos de amanhã

Não apenas existem razões convincentes para os departamentos financeiros adotarem novas tecnologias, como também existem riscos significativos associados a isso. Muitos dos CFOs consultados pela BlackLine veem uma crise de talentos no horizonte, à medida que a geração do milênio evita a constante subida ao topo com um único empregador em favor da procura de emprego entre organizações que eles percebem que agregará maior valor aos seus currículos. Nesse cenário, as empresas que se apresentam atrasadas podem encontrar um desafio constante para atrair e reter profissionais de finanças de alto calibre.

Enxuta e eficiente: a criação de um departamento financeiro adequado aos objetivos de 2020 e além

A década de 2020 é de um desafio econômico significativo para as empresas, que tentam se recuperar coletivamente do evento do cisne negro que é o COVID-19. Um departamento financeiro pró-ativo e eficiente será uma fonte de vantagem competitiva relevante durante os tempos difíceis que se aproximam. As organizações que investem em RPA e as mudanças no modus operandi que geralmente o acompanham provavelmente desfrutam de um considerável dividendo de produtividade – no próprio departamento financeiro e em toda a empresa.

Artigo escrito por Claudia Pirko, vice-presidente da Blackline regional A/NZ

Fonte: CFOtech

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *